complexo arqueológico moray cusco

Complexo Arqueológico de Moray Cusco

Origem

Sobre o complexo arqueológico de Moray Cusco, há uma teoria que os incas teriam aproveitado as crateras abertas por meteoritos como diz Edwin Salazar, autor do livro “Astronomia Inca”, que resgatou esta teoria exposta anteriormente em 1960.

O gigantesco asteróide se dividiu ao entrar na atmosfera terrestre e o impacto deixou nove crateras voltadas para o sudoeste. Os incas construíram um lugar de adoração e evitaram a erosão com a construção dos famosos terraços. As crateras dos meteoritos foram sacralizadas como em outras grandes civilizações do planeta.

Reconhecimento

Os terraços foram considerados anéis concêntricos pela expedição de Shirppe Johnson, em 1932. Cada círculo compreende um terraço que se sobrepõe a outro, formando círculos que se ampliam. Pode-se acessar de um para o outro escalando as pedras salientes (sarunas), encravadas na parede.

Etimología

A palavra Moray é de origem quíchua e tem relação com a colheita do milho que se chamava Aymoray, ou com o mês de maio, que tinha este mesmo nome, assim como com a batata desidratada chamada de Moraya ou Moray.

Localização

Os terraços do complexo arqueológico de Moray estão localizados a 7km de Maras, no Vale Sagrado dos Incas, a 38km a noroeste de Cusco. É possível chegar a Moray pelo caminho do povoado ou diretamente de um desvio da estrada principal.

Moray pertence ao distrito de Maras, um dos sete distritos da província de Urubamba, departamento de Cusco. Moray é um complexo arqueológico que ocupa aproximadamente 36 hectares.

Descrição

O complexo arqueológico de Moray são terraços ou terraços agrícolas construídos em depressões ou buracos naturais gigantescos. Estes terraços encontram-se sobrepostos concentricamente, tomando a forma de um gigantesco anfiteatro. A maior abertura possui uma profundidade de 150m e a altura média dos terraços é de 1,80m.

De acordo com os historiadores, estas construções eram importantes laboratórios agrícolas dos incas. Estes terraços foram construídos com seus respectivos canais de irrigação e cada um deles constitui um micro-clima. O que mais salta aos olhos é a grande diferença de temperatura média anual entre a parte superior e o fundo das depressões. Diferença que chega a 15°C.

Funções

A disposição dos terraços produz um gradiente de microclimas onde o centro dos terraços circulares concêntricos possui uma temperatura mais alta, reduzindo gradualmente até seu exterior, podendo desta forma simular até 20 tipos diferentes de microclimas.

Os microclimas dos terraços que rodeiam o funil maior (Qechuyoq) distribuem-se em setores de quatro níveis adjacentes, cada setor com características microclimáticas próprias. Os quatro terraços inferiores que pertencem ao Setor I são mais úmidos e possuem temperaturas de solo baixas devido à maior evaporação de água. Os solos dos terraços do Setor II possuem temperaturas anuais médias de 2°C ou 3°C maiores. Os solos do Setor III apresentam temperaturas que podem ser maiores ou menores conforme a variação da exposição solar durante as estações do ano. Os meses de maior diferenciação microclimáticas são os da estação seca (maio, junho e julho) e a de cultivos (agosto, setembro, outubro e novembro).

Nota: os terraços estão distribuídos em 12 níveis sendo os quatro primeiros pertencentes ao Setor I, os quatro seguintes, ao Setor II e os quatro restantes, ao Setor III.

Devido à sua posição, cada um destes terraços representam, aproximadamente 1.000m de altitude em condições normais de lavoura. Em sua totalidade, o complexo conteria vinte ou mais zonas ecológicas em nível. O sítio de Moray foi usado pelos oficiais incas para calcular a produção anual em diferentes partes de Tahuantinsuyo

Share:

Deixe uma resposta